BUSCA

Quem sou eu

Minha foto
Sou doutora em Literatura. Escrevo há mais de 15 anos, mas sem disciplina. Sou aquela escritora que se guarda para o futuro, à espera de um grande acontecimento. Sinto que chegou a hora. É com retalhos e epopeias que me inventarei - com pequenos e grandes eventos - com fragmentos e grandes feitos - serei a tecelã de uma história e a sua heroína. Serei Penélope e Odisseu. Me acompanhe nesta viagem! Colunista da seção de Escrita Criativa na comunidade literária Benfazeja. Livros publicados: FLAUIS (2010) e RETALHOS E EPOPEIAS (Editora Patuá, 2012). Mais sobre mim em meu site oficial

Me encontre

MENU

Divulgue o blog!


Banner 120 x 60


Banner 150 x 90


Arquivo do blog

LEITORES

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Todos os textos são de autoria de Carolina Bernardes. A cópia não é autorizada e configura plágio. Tecnologia do Blogger.

22 fevereiro, 2011

PARÓDIA DE UM LEITOR - ASCESE DE KAZANTZAKIS


Nenhum texto é uma unidade fechada em si mesma. O texto, depois de produzido, sempre estará entregue ao discurso da História e a seus efeitos. Segundo Bakhtin:

Toda palavra comporta duas faces. Ela é determinada tanto pelo fato de que procede de alguém como pelo fato de que se dirige para alguém. Ela constitui justamente o produto da interação do locutor e do ouvinte. Toda palavra serve de expressão a um em relação ao outro. Através da palavra, defino-me em relação ao outro, isto é, em última análise, em relação à coletividade. A palavra é uma espécie de ponte lançada entre mim e os outros. Se ela se apóia em mim numa extremidade, na outra apóia-se sobre o meu interlocutor. A palavra é o território comum do locutor e do interlocutor.” BAKHTIN, M. M./VOLOCHINOV, V. N. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1988[1929], p.113.

Assim, qualquer texto estará sujeito a releituras em suas mais variadas épocas. Não importa quando foi escrito ou o nome do autor e a sua importância, todo texto será uma “ponte lançada entre mim e os outros”. E as (re)leituras surgem em multiplicidade construindo a significação do texto.

Toda essa rápida introdução a respeito do texto, da palavra e da relação autor/leitor tem apenas o intuito de apresentar uma paródia, como releitura do texto de Kazantzakis, publicado aqui neste blog (Introdução de Ascese). Um leitor de minhas humildes postagens surpreendeu-me com magnífica paródia sobre o texto do escritor grego, provando o quanto um leitor pode ser autor em sua produção de sentido.
Antes, porém, uma nota a respeito da paródia.

Paródia significa “canto paralelo”, incorporando a idéia de uma canção cantada ao lado de outra, uma espécie de contracanto. É uma escrita transgressora, que transforma o texto original: articula-se sobre ele, reestrutura-o, mas ao mesmo tempo introduz um movimento de negação.

Na paródia, a fusão de vozes é impossível, pois elas provêm de mundos diferentes; elas se fazem ouvir numa leitura polifônica”. (FÁVERO, in: Diana Luz P. de Barros e José Luiz Fiorin. Dialogismo, Polifonia, Intertextualidade, Edusp, 1994)

Isso significa que se mantém o texto de Kazantzakis lado a lado com o do leitor, sem que se perca a identidade de cada um.

Ainda citando Bakhtin:

 “O processo de luta com a palavra de outrem e sua influência é imensa na história da formação da consciência individual. Uma palavra, uma voz que é nossa, mas nascida de outrem, ou dialogicamente estimulada por ele, mais cedo ou mais tarde começará a se libertar do domínio da palavra do outro. Este processo se complica com o fato de que diversas vozes alheias lutam pela sua influência sobre a consciência do indivíduo.”

Vejamos, portanto, como a voz de Kazantzakis agiu e influenciou a deste leitor: (Não deixem de reler o texto original para comparar)






O ABISMO
ALVINHO

          
      Viemos de um abismo de cevas; findamos num abismo de cevas: ao intervalo, entre um e outro damos o nome de conversa, petisco e banheiro.

      Tão logo abrimos principia a espuma; o gosto e o gole são simultâneos; brindemos a cada instante. Por isso muitos proclamaram: o copo, tragam o copo.

      Todavia, tão logo bebemos, principia o esforço de ir à geladeira, chamar o garçom, cortar o salame: a cada instante brindemos.

     Por isso muitos proclamaram: o copo da vida é o copo é o copo é o copo. Nos mictórios, corpos vivos lutam em duas correntes: 1ª os que querem entrar, desaguar, aliviar, rumo à primeira portinha aberta; 2ª os que já saíram, tranquilos, sorriso à boca, rumo à mesa, mais cerveja.

       E as duas correntes se originam da mesma substância primeva: a ceva. De começo, o gole surpreendente, uma reação gustativa, gelada e efêmera às trovas das bocas sedentas; mas quando nos aprofundamos, nem percebemos que a ceva é a própria ceva do rpincípio ao fim dos versos e reversos.

      Se fosse ou não assim, assado, grelhado, ou na brasa de onde viria todos os acompanhamentos que nos impele e nos lança nesses encontros tão sagrados.

      Cumpre-nos então, acender unzinho e articular e harmonizar os impulsos sem princípio nem fim deixando o nosso pensamento e ação à deriva.

No final, é isto o que todos somos?


2 Comentaram. Deixe seu comentário também!:

GIL ROSZA disse...

Bacana isso. Em Linguagem e Ideologia, o Fiorin falando sobre algo parecido ao que colocou no ínício, também cita o Bakhtin ao dizer que: “O texto é, pois, individual, enquanto o discurso é social".

William disse...

Olá Carolina,
O dom da palavra todos possuem, mas nem todos possuem o poder da palavra.
Expressar não é tão simples quanto possa parecer, é preciso imaginar que daqui dezenas ou centenas de anos, o contexto poderá parecer sem sentido ou de repente até mesmo muito atual.
Tudo depende de quem escreve e de quem lê.
Há muitos supostos filósofos, filosofando filosofias inúteis por aí.
É preciso ler e interpretar.
Abraço

Postar um comentário

Olá, obrigada por visitar meu blog. Sua contribuição é muito importante para mim!

LIVROS ESSENCIAIS

  • A Demanda do Santo Graal. (Anônimo)
  • A vida e as opiniões do cavalheiro Tristam Shandy. (Laurence Sterne)
  • Ascese. (Nikos Kazantzakis)
  • Cem anos de Solidão. (Gabriel Garcia Marquez)
  • Crime e Castigo. (Dostoiévski)
  • Folhas de Relva. (Walt Whitman)
  • Húmus. (Raul Brandão)
  • Judas, o Obscuro. (Thomas Hardy)
  • Mahabharata (Anônimo)
  • Memórias Póstumas de Brás Cubas (Machado de Assis)
  • Narciso e Goldmund. (Hermann Hesse)
  • O casamento do Céu e do Inferno. (William Blake)
  • O homem que comprou a rua. (Tarcísio Pereira)
  • O Perfume. (Patrick Süskind)
  • Odisseia (Kazantzakis)
  • Odisseia. (Homero)
  • Os Cadernos de Malte Laurids Brigge. (Rainer Maria Rilke)
  • Peter Pan. (J. M. Barrie)
  • Poemas (Seferis)
  • Poemas Completos de Alberto Caeiro (Fernando Pessoa)
  • Zorba, o grego. (Nikos Kazantzakis)

Banner 250 x 40


meu bichinho virtual

De onde vêm meus visitantes?

 
2009 Template Bucólico|Templates e Acessórios