BUSCA

Quem sou eu

Minha foto
Sou doutora em Literatura. Escrevo há mais de 15 anos, mas sem disciplina. Sou aquela escritora que se guarda para o futuro, à espera de um grande acontecimento. Sinto que chegou a hora. É com retalhos e epopeias que me inventarei - com pequenos e grandes eventos - com fragmentos e grandes feitos - serei a tecelã de uma história e a sua heroína. Serei Penélope e Odisseu. Me acompanhe nesta viagem! Colunista da seção de Escrita Criativa na comunidade literária Benfazeja. Livros publicados: FLAUIS (2010) e RETALHOS E EPOPEIAS (Editora Patuá, 2012). Mais sobre mim em meu site oficial

Me encontre

MENU

Divulgue o blog!


Banner 120 x 60


Banner 150 x 90


Arquivo do blog

LEITORES

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Todos os textos são de autoria de Carolina Bernardes. A cópia não é autorizada e configura plágio. Tecnologia do Blogger.

13 março, 2011

O ACORDO





Espalhei-me no corredor enquanto você dormia.

Não acorde.

Se ouvir meus soluços reconhecerá o erro. Sim, a

 folha que rasgou do caderno cifrado.

Cuidado... não acorde. A inocência do sono o

protege.

Ele não deve saber... Está cansado, voltou da

guerra. Muita luta na mochila, muito laivo de

 esperança. Sabe pouco do que ficou... do caderno que rasgou.

Dorme. Dorme como sonha como esquece. Dissolve

 as palavras, o lapso, a dor.

Ninguém ama quando dorme.

Eu mesma, confusa de amar, no escuro esqueço se

 é o amor. Corpo inerte suspenso no ar e na

duração. Cavaleiro inexistente que desamo por amar.

Não acorde.

No escuro esqueço.

Não me acorde.


4 Comentaram. Deixe seu comentário também!:

Caranguejúnior disse...

Olá Carolina, muito obrigado pela visita e pelas palavras deixada no meu blog...

Já andei lendo o seu espaço, e ví que vc é uma escritora de mão cheia,adoro vir visitar aqui...

Esse poema por exemplo, achei muito bom! "ninguém ama quando dorme" "no escuro esqueço" tá aí uma verdade!

Um abraço!

Caranguejúnior disse...

Obrigado amiga Carolina, pela visita e comentário no meu blog.

Adorei esse poema "ninguém ama quando dorme" nem tão pouco machucamos... uma verdade!

grande abraço!

William disse...

Olá Carolina,
Me sinto até constrangido em comentar o texto, porque às vezes me permito a tentar entender o que realmente as pessoas querem expressar ou simplesmente "deixar no ar".
Prefiro ambas as situações indo de encontro a apenas um canal: sabedoria.
Isso você usa com qualidade em seus textos.
Fiquei pensando num diário, num cansaço e no alimentar do corpo com o sono.
Parabéns, é o que posso dizer.
Abraço

Jasanf disse...

Querida escritora, há um presentinho para ti em meu blog Lectando-me. Com carinho, ofereço-te.
Abraço,
Jasanf.

Postar um comentário

Olá, obrigada por visitar meu blog. Sua contribuição é muito importante para mim!

LIVROS ESSENCIAIS

  • A Demanda do Santo Graal. (Anônimo)
  • A vida e as opiniões do cavalheiro Tristam Shandy. (Laurence Sterne)
  • Ascese. (Nikos Kazantzakis)
  • Cem anos de Solidão. (Gabriel Garcia Marquez)
  • Crime e Castigo. (Dostoiévski)
  • Folhas de Relva. (Walt Whitman)
  • Húmus. (Raul Brandão)
  • Judas, o Obscuro. (Thomas Hardy)
  • Mahabharata (Anônimo)
  • Memórias Póstumas de Brás Cubas (Machado de Assis)
  • Narciso e Goldmund. (Hermann Hesse)
  • O casamento do Céu e do Inferno. (William Blake)
  • O homem que comprou a rua. (Tarcísio Pereira)
  • O Perfume. (Patrick Süskind)
  • Odisseia (Kazantzakis)
  • Odisseia. (Homero)
  • Os Cadernos de Malte Laurids Brigge. (Rainer Maria Rilke)
  • Peter Pan. (J. M. Barrie)
  • Poemas (Seferis)
  • Poemas Completos de Alberto Caeiro (Fernando Pessoa)
  • Zorba, o grego. (Nikos Kazantzakis)

Banner 250 x 40


meu bichinho virtual

De onde vêm meus visitantes?

 
2009 Template Bucólico|Templates e Acessórios