BUSCA

Quem sou eu

Minha foto
Sou doutora em Literatura. Escrevo há mais de 15 anos, mas sem disciplina. Sou aquela escritora que se guarda para o futuro, à espera de um grande acontecimento. Sinto que chegou a hora. É com retalhos e epopeias que me inventarei - com pequenos e grandes eventos - com fragmentos e grandes feitos - serei a tecelã de uma história e a sua heroína. Serei Penélope e Odisseu. Me acompanhe nesta viagem! Colunista da seção de Escrita Criativa na comunidade literária Benfazeja. Livros publicados: FLAUIS (2010) e RETALHOS E EPOPEIAS (Editora Patuá, 2012). Mais sobre mim em meu site oficial

Me encontre

MENU

Divulgue o blog!


Banner 120 x 60


Banner 150 x 90


Arquivo do blog

LEITORES

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Todos os textos são de autoria de Carolina Bernardes. A cópia não é autorizada e configura plágio. Tecnologia do Blogger.

20 maio, 2011

Retalhos de Outrora - um exercício de escrita






                 A tela do computador continuava branca, impávida. Maia poderia marcá-la, rabiscá-la, manchá-la. A página continuaria íntegra. Sem a impressão de um único arranhão. Ilesa. Por isso destemida. Queria perfurar, derrubar a tinta no papel, estraçalhar, rasgá-lo em mil pedacinhos. A tela invencível. Precisava escrever algo para a aula de Beto Candice. A música inspiradora não estava adiantando. Às vezes brigava com as palavras. Não vinham, não formavam correntes, não cresciam em idéias. As mãos vermelhas. Suas mãos continuavam brancas como a tela. Água. Precisava dedilhar sobre a dominação. Os dedos. Dominação. Autoridade. Autor. A barriga continuava a tremer. A água foi providencial. A serpente domina o pobre do sapinho com seus olhos vermelhos. Vermelho. Ou enfeitiça? É o mesmo? Elevar-se. Influenciar. Ou conter-se. Instintos. A cobra não domina os próprios instintos, usa-os como arma. Bang. O chão. Aquele rosto por cima. Ele a devoraria se já não dominasse os instintos? O feitiço. A presa. O poder. A supremacia. Ali, estendida no chão... sentada... era a presa. E seria tão bom ser devorada. O pobre sapinho esperou, obediente, paciente. A boca enorme, a vontade enorme. O beijo enorme. Não foi devorada, mas o feitiço... vivo o feitiço.
                      Nada sairia naquele momento. Era melhor desligar tudo porque sua mente divagava. O encantamento não combinava com o pensamento lúcido. Já havia sentido o efeito outrora, não se lembrava que impedia o curso normal da vida, o bom desempenho das atividades diárias. Que forma protocolar de dizer! Mas queria voltar ao seu estado normal. Estado de liberdade. De fazer coisas sem pensar em outras. Com a alma dominada, atada a outra alma, seu pensamento não era incisivo, sua força não era superior a si mesma. Voava. E parecia permanecer em estado de enlevo. A vontade imensa. Não sabia do que exatamente. De beijar... de estar perto... de que as coisas fossem diferentes... de que aquele beijo pudesse ter acontecido... de que o amor não existisse! O não-amor era mais seguro. Mas feitiço e amor podem se confundir? O que estaria sentindo? Precisava definir? Seu coração precisava disso? Nem sempre as respostas eram bem-vindas. E ainda tinha a sombra de não ter feito o trabalho de literatura. Até amanhã deveria pensar em algo.


O fragmento é parte constituinte de um projeto de livro inacabado, 1999.

Nota do Sótão: Neste ano, nasceu a pequena Rebeca,  e eu concluía a graduação. Era mãe de duas pequenas loiras, de olhos claros. Eu não era ninguém. Simplesmente atada às escolhas anteriores. E, ainda assim, escrevi 52 páginas, amamentando, estudando, criando... sem rumo para o futuro. É uma loucura pensar que demorei tanto tempo para voltar a escrever. As condições também não eram lá favoráveis, mas nunca foram e eu escrei em 1999. Escrevi em 1995. Escrevi em 2003. Escrevi em 2008. E só em 2011, estou me colocando no rumo, no rastro do Centauro Amarelo.

3 Comentaram. Deixe seu comentário também!:

GIL ROSZA disse...

Bacana o uso de elementos naturais instintivos numa figura bem xamântica sobre o desejo. No xamanismo a serpente é um dos bichos considerados “animais do poder”. De fato, o encantado entra nesse transe involuntário, como um bicho hipnotizado... catalepticamente paralisado à espera de ser comido.

=(0y0)=

Rodrigo Alves disse...

Muito interessante.

Não pare mais de escrever! rsrs

Aclim disse...

A mente humana é como o infinito, mas como dominá-la.

Bom exercício de escrita.

Voltarei todos os dias para vasculhar as novidades

Abraço

Postar um comentário

Olá, obrigada por visitar meu blog. Sua contribuição é muito importante para mim!

LIVROS ESSENCIAIS

  • A Demanda do Santo Graal. (Anônimo)
  • A vida e as opiniões do cavalheiro Tristam Shandy. (Laurence Sterne)
  • Ascese. (Nikos Kazantzakis)
  • Cem anos de Solidão. (Gabriel Garcia Marquez)
  • Crime e Castigo. (Dostoiévski)
  • Folhas de Relva. (Walt Whitman)
  • Húmus. (Raul Brandão)
  • Judas, o Obscuro. (Thomas Hardy)
  • Mahabharata (Anônimo)
  • Memórias Póstumas de Brás Cubas (Machado de Assis)
  • Narciso e Goldmund. (Hermann Hesse)
  • O casamento do Céu e do Inferno. (William Blake)
  • O homem que comprou a rua. (Tarcísio Pereira)
  • O Perfume. (Patrick Süskind)
  • Odisseia (Kazantzakis)
  • Odisseia. (Homero)
  • Os Cadernos de Malte Laurids Brigge. (Rainer Maria Rilke)
  • Peter Pan. (J. M. Barrie)
  • Poemas (Seferis)
  • Poemas Completos de Alberto Caeiro (Fernando Pessoa)
  • Zorba, o grego. (Nikos Kazantzakis)

Banner 250 x 40


meu bichinho virtual

De onde vêm meus visitantes?

 
2009 Template Bucólico|Templates e Acessórios