BUSCA

Quem sou eu

Minha foto
Sou doutora em Literatura. Escrevo há mais de 15 anos, mas sem disciplina. Sou aquela escritora que se guarda para o futuro, à espera de um grande acontecimento. Sinto que chegou a hora. É com retalhos e epopeias que me inventarei - com pequenos e grandes eventos - com fragmentos e grandes feitos - serei a tecelã de uma história e a sua heroína. Serei Penélope e Odisseu. Me acompanhe nesta viagem! Colunista da seção de Escrita Criativa na comunidade literária Benfazeja. Livros publicados: FLAUIS (2010) e RETALHOS E EPOPEIAS (Editora Patuá, 2012). Mais sobre mim em meu site oficial

Me encontre

MENU

Divulgue o blog!


Banner 120 x 60


Banner 150 x 90


Arquivo do blog

LEITORES

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Todos os textos são de autoria de Carolina Bernardes. A cópia não é autorizada e configura plágio. Tecnologia do Blogger.

08 março, 2011

O INTERVALO (entre as trevas e a luz)




          


          Tudo começou com um vídeo. No Facebook. Eu nem me dera por ele, mas o Alvinho captou e não mais desgrudou. "Vamos escrever sobre o Mergulho". Todos, em um círculo, cada qual com a sua inspiração. Obviamente, todos escreveriam sobre o mesmo tema. Assim, nasceu o primeiro e o segundo textos em Onoma kai Pragma; sem seguida foi a Bianca do Inverno das Flores. Faltava eu... essa semana, porém, nada escrevi... dei voz somente aos grandes poetas - Manuel de Barros e Walt Whitman.     
          Mas e o mergulho? Busquei a queda livre, o lance no abismo, entre meus textos guardados. E o encontrei. Sim, em algum outro momento, este tema já foi importante, pensei sobre ele. Coincidência feliz, eis o meu mergulho:


        
             Ele estava caindo em um abismo, abria os olhos, tentava usar seus superpoderes, mesmo sabendo que era humano. O abismo não desaparecia. Ele sentia seu corpo deslizar pela atmosfera, em quase nula pressão. Um lento barquinho descendo pelas ondas do ar. Havia imaginado e até desejado tantas vezes essa queda. Como arremessar-se ao nada dentro de um carro. Agora o fortuito lhe indicava a rota. A queda era confortável, o vento veloz.
         Gritar era impossível. O ar entrava pela boca e formava um balão. Não sentia, tão desesperadora era a sua condição, mas o ar lhe promovia um abraço, amainava sua queda. Ao cair, sentia seus membros se enrijecer, o frio sugava o sangue de sua carne. Não houve tempo para pensar, para atinar com razões, causas, poderes naturais que lhe impunham esse desaviso. O mergulho foi certeiro e ali ele ficou, a nadar em seu desespero.
         Amargou lágrimas, sentiu as dores do suicídio. Açoitou-se no rancor, na vã expectativa de encontrar um autor que assinasse a sua descida. Sem forças para levantar não rogou ajuda. Na queda, Deus, forças protetoras e até mesmo o amor voaram de seus bolsos e se dispersaram para uma nova morada. Na árida terra do abismo, lamentou os inúteis dias vividos, a impossível recompensa, a transitoriedade de tudo. Nos confins, numa terra de ausências, confortou-se com a sua única presença. E então, sem gritar, pôde falar.
         Caí e não olhei ao redor. Não lancei um prêmio ao herói que me sustivesse em seus braços. Saltei e não indaguei se sobreviveria. Enquanto as luzes do norte pudessem amarelecer a poeira de meus sapatos, eu seguiria. Viajaria. Mas não desviaria meus olhos para as margens. Saio, enfim, a esmo e durmo no capim. Na lentidão da noite, descubro quão forte é o arroubo das lembranças. Não pertenço ao nada, pertenço ao latim. Não vivifico a noite nem as brumas. Mas descubro que existe um subir. As lembranças me indicam a existência. Amarrado à terra de meu inferno, começo a brotar. Ouço vozes distantes. No deserto, as miragens começam a se voltar para mim. Vejo dores e explosões. Mas vejo o vento varrer tudo e carregar num redemoinho. A areia fica eterna. Seus grãos são carregados para terras longínquas e desconhecidas, e um dia retornam. Entendo que tudo fica, nada parte, nada se distancia. No contraste do deserto, começa a nascer a sombra, desenrola-se por todo o amarelo. Bate com estrondo por toda a areia, lançando chuviscos pelo espaço. As migalhas que sobem transformam-se em pássaros. As migalhas que correm criam pernas e procuram a cidade. E tudo vai serenando. A sombra encolhe, divide-se em milhões de partículas que dardejam por todo o universo. Algumas vezes, cansadas, elas se afiguram ora como flores, ora como estrelas, ora como crianças. Essas visões eu acabo de ter, e como um grão de areia, como galhos que se estendem, também subo. E voltejo o olhar por dentre as nuvens. E assim encontro com o céu, transformo os prazeres e a fortuna em mundos de algodão.


Conto publicado em O Centauro Amarelo. Ribeirão Preto, 2002.
Outros links para o livro:




1 Comentaram. Deixe seu comentário também!:

GIL ROSZA disse...

É o tipo de narrativa que gosto. Esse tipo de labirinto com circuito bem desenhado, os olhos da gente correm por ele e o prazer disso vai muito além do fato de haver ou não ali expressões de elevação ou palavras bonitas.

Postar um comentário

Olá, obrigada por visitar meu blog. Sua contribuição é muito importante para mim!

LIVROS ESSENCIAIS

  • A Demanda do Santo Graal. (Anônimo)
  • A vida e as opiniões do cavalheiro Tristam Shandy. (Laurence Sterne)
  • Ascese. (Nikos Kazantzakis)
  • Cem anos de Solidão. (Gabriel Garcia Marquez)
  • Crime e Castigo. (Dostoiévski)
  • Folhas de Relva. (Walt Whitman)
  • Húmus. (Raul Brandão)
  • Judas, o Obscuro. (Thomas Hardy)
  • Mahabharata (Anônimo)
  • Memórias Póstumas de Brás Cubas (Machado de Assis)
  • Narciso e Goldmund. (Hermann Hesse)
  • O casamento do Céu e do Inferno. (William Blake)
  • O homem que comprou a rua. (Tarcísio Pereira)
  • O Perfume. (Patrick Süskind)
  • Odisseia (Kazantzakis)
  • Odisseia. (Homero)
  • Os Cadernos de Malte Laurids Brigge. (Rainer Maria Rilke)
  • Peter Pan. (J. M. Barrie)
  • Poemas (Seferis)
  • Poemas Completos de Alberto Caeiro (Fernando Pessoa)
  • Zorba, o grego. (Nikos Kazantzakis)

Banner 250 x 40


meu bichinho virtual

De onde vêm meus visitantes?

 
2009 Template Bucólico|Templates e Acessórios